Biografia Filipe Gonçalves Mélo.

Biografia Filipe Gonçalves Mélo.
Filipe Gonçalves Vieira Mélo.Autodidata. Pintura à óleo abstrata em vários tamanhos até 2mx3m. Desenho com pintura. Desenhos em A 4. Exposição na Mostra Morar mais por Menos RJ e Feira Reacess RJ. Entrevista na GNT. Parque das Ruínas. Santa Teresa RJ.Revista:Entender a mulher. Editora Moi SP.Exposição na morar por Menos Lagoa RJ. Correio da Manhã- Portugal. Coluna. Lídia Soares.Revista Época . Entrevista Cristiane Segatto.

quinta-feira, 25 de março de 2010

Voltamos para casa!

 Finalmente voltamos para casa! Depois Filipe ficar  oito dias internado no hospital!
 Ele ainda vai tomar mais 10 dias de antibiótico para dar continuidade ao tratamento.
   Confesso que me surpreendi com Filipe internado. Ele ficou bem, apesar de perguntar toda hora, pela pela fono, pela musicoterapeuta, pela natação pelas aulas de arte. Mais o que mais perguntava, de cinco em cinco minutos era pelo supermercado Prezunic, que é perto da minha casa . E  eu indagava para ele :- O que voce vai comprar lá? Na sua linguagem quase inteligível respondia: - Sorvete, pizza , biscoito.
 Tudo que ele não podia . A sua dieta  no hospital era como se ele fosse diabético, apesar dele não ser.
    A infecção foi muito forte e envolvia a circulação.
Bem  vou resumir o que aconteceu:
 Filipe levou um tombo na piscina onde faz natação, quando ele subiu o último degrau,  ele quebrou,  e ele bateu forte com a perna , próximo ao joelho.
Quando ele chegou em casa mancando com meu marido fiquei apavorada. No local formou-se um ovo grande e abriu uma ferida. Como já era tarde , umas 9 da noite deixei para leva-lo no dia seguinte ao hospital.Dei analgésico forte e ele logo dormiu, parecia muito cansado e com dor. Fiquei com o coração na mão ,olhando ele dormir, porque a pancada tinha sido forte e fiquei imaginando como ele deve ter sentido dor! No dia seguinte corri com ele para o hospital Central do Exército.
Na emergência , fizeram o raio X e deu normal . No entanto foi passado um antibiótico.
Mas já no dia seguinte a perna começou a ficar roxa , muito roxa . Ao ponto de descer a rouxidão até à sola dos pés.
 Corri apavorada para o hospital de novo. Exames de sangue foram feitos  para ver a coagulação . E deu normal.
 Os médicos disseram que a rouxidão demoraria a sair por causa do tegretol que ele toma.Tegretol é o medicamento para a convulsão.
E a ferida da perna nada de sarar . Até que Filipe passou a ter febre. Novas doses de antibiótico e nada....
E aí a perna ficou desta maneira! Meu coração de mãe  desde o tombo estava angustiado, temeroso sentindo que algo não ia bem. Voltei de novo na emergência mostrando a perna da foto e foi pedido um ultrasom em 3D da perna. Fui para uma Clinica conveniada e fiz o tal exame. Resultado: A pancada foi tão forte que lacerou o músculo e a ferida que não fechava estava abrindo caminho para esta infecção. Comentei com o médico do exame, a dor que este menino sofreu, vendo o que fez a pancada na perna dele e o médico concordou comigo. Meu marido disse que reclamou na hora muito e mancou. E eu chorei ao ver o sofrimento do meu filho. E ele firme sem reclamar!
 Corri rápido  para o Hospital do Exército (HCE) por causa deste exame e a febre. Fui direto para a angeologia. Quando três médicos da Angeologia  viram a perna de Filipe disseram.-Ele vai ser internado agora para tratar esta infecção! Diagnóstico: Celulite infecciosa!
Gelei. Ele nunca fôra internado. E se ele não quisesse? Afinal hospital é muito diferente do ambiente de casa.
 Iam sedar ele? Fiquei muito preocupada , primeiro por saber que era sério, senão não internariam . E por não saber como ele ia se sentir. E comecei a conversar desde a hora que entrei com ele no quarto sobre o motivo de ele ter de ficar lá internado.
Mãe de autista nesta hora fica pior que o filho, porque não sabe como ele vai se sentir.
 Mas Graças ao Meu Deus Verdadeiro, acho que ele entendeu que precisava ficar lá.  E foi muita medicação na veia. Exames de sangue . Injeções na barriga para a circulação. E várias picadas no dedinho para ver como estava a glicose.
 E Nada de sedação! Ele cooperou direitinho . Um rapaz de fibra!
 Pedi meu marido para levar as coisas que ele gostava para o hospital. Seus bonecos , que são seus companheiros. O Laptop para ele desenhar no paint , a tv eos DVDs que ele gosta.
  Finalmente veio a alta, foram oito dias que eu parecia estar áerea, meia autista também, para aguentar.
  Filipe foi muito bem atendido pelos médicos e por enfermeiros que todo o tempo fizeram de tudo para que Filipe ficasse à vontade . Eles o tratataram como se Filipe não fôsse autista. Quero agradecer de coração pela força , pela competência e tratamento carinhoso aos Sargentos enfermeiros:  Alan Lemos, Luciana, Roberta Mesquita e Mônica.Voces foram 10.
  Agora ele vai tomar mais 10 dias de antibiótico para completar o tratamento. A ferida está se fechando cada vez mais.
Nesta foto no dia da alta, olhando a paisagem da janela. Passava horas olhando lá para fora. Aqui o hospital é rodeado por favelas. Mas se vê o metrô passar toda hora , isso deixava Filipe absorto na paisagem.
  Eu também me perdia olhando a paisagem, pensando como é bom estar lá fora e pensava a gente tem de se cuidar, cuidar da nossa saúde para não ficar no hospital.
 Boa semana para todos!