Biografia Filipe Gonçalves Mélo.

Biografia Filipe Gonçalves Mélo.
Filipe Gonçalves Vieira Mélo.Autodidata. Pintura à óleo abstrata em vários tamanhos até 2mx3m. Desenho com pintura. Desenhos em A 4. Exposição na Mostra Morar mais por Menos RJ e Feira Reacess RJ. Entrevista na GNT. Parque das Ruínas. Santa Teresa RJ.Revista:Entender a mulher. Editora Moi SP.Exposição na morar por Menos Lagoa RJ. Correio da Manhã- Portugal. Coluna. Lídia Soares.Revista Época . Entrevista Cristiane Segatto.

domingo, 29 de abril de 2012

Escolas especiais para autista. Pai grava em vídeo Bulling com seu filho autista.


   Quando vi esta reportagem deste pai, Stuart Chaifetz em Nova Jersey, resolvi compartilhar com voces o que ele passou.
O seu  filho de 10 anos com autismo começou a ter crises explosivas na escola e os profissionais da escola começaram a reclamar dele . O pai estranhou porque seu filho não tinha este comportamento em casa e ele não era problemático. Ele não tinha como obter mais informações do filho porque ele tem problemas na comunicação não saberia contar o que estava acontecendo. Desconfiado então ele colocou um gravador digital preso no corpo do filho. E assim pode saber toda a verdade. O pai relata: ____ ele estava atacando porque ele estava sendo ridicularizado, maltratado e humilhado.
O Filho sofria bulling na escola e o pai chegou a dizer que era muito difícil para este filho estar nesta escola. Confira aqui toda a reportagem e o vidéo. Foto de Stuart com seu filho
http://shine.yahoo.com/parenting/stuart-chaifetz-secretly-tapes-autistic-son-school-discovers-220500111.html



Eu acho que escolas especias tem de ter CÂMERAS de vídeo em todos os lugares e os pais monitorem isso. Com isso vamos obter mais transparência, responsabilidade e atendimento de verdade.
Por isso que eu digo, querer que nossos filhos autistas façam o tradicional de um aprendizado,não dá certo.
Eles tem seu próprio ritmo e para conseguir que eles cooperem NÃO vai  adiantar os mesmos ensinamentos  tradicionais.  Por isso o apoio não tradicional é o melhor. Em vez de ficar aprendendo a, b, c, d ou 1+1 = 2  Leve seu aluno com autismo para uma sala de aula com :Aulas com arte, pintura, escultura, desenho, grafite, dentro desta brincadeira ensine a matemática e a geografia ou outra matéria. Vou dar um exemplo, eu dou aula de arranjo de flores. Se fosse professora  numa classe autista , eu ensinaria um arranjo onde eu pediria para pegar 10 rosas + 5 gérberas + 3 orquídeas e 1 maço de folhagens. Ao terminar o arranjo, quantas flores eu usei? Quantas cores eu pedi?
Podemos fazer isso com qualquer tipo de arte. Quantas cores usaria o aluno ao pintar um quadro? Desenhar uma planície ou uma montanha isto é geografia. E por aí vai.Outra coisa calmante! Música, que faz bem ao cérebro isto é provado cientificamente. Escutar, cantar , compor...
Exercícios físicos também faz bem aos neurônios.Tudo isso faria a diferança numa escola especial de verdade para autistas.
Beijinhos e bom domingo para todos!
Ray

5 comentários:

  1. Ray, boa noite!
    Estou chocada, como é possível tanta maldade?

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderExcluir
  2. Amiga
    Terrível, estas situaçôes em crianças vulneráveis, e mais uma vez volto a referir que não é só por os meninos, não terem oralidade que não conseguem transmitir as barbaridades que lhe são feitas.
    Estes meninos mesmo os que tem linguagem verbal podem ser machucados da mesma forma, porque confiam no adulto. E em algumas ocasiões ainda podem sentir-se culpados por "provocar", a ira e o desrespeito nos adultos que os deviam educar e controlar de forma correta, ajudando a estabilizar em situações de stress.
    Nem todos estão preparados para lecionar, muito menos crianças fragéis é preciso dedicação e amor...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana, voce viu a maldade?
    Ainda bem que o pai viu que o menino não era assim.
    Felizmente ele foi esperto em colocar a escuta.
    Temos de ficar espertos
    Nossos filhos com autismo são muito vulneráveis!
    Beijinhos.
    Ray

    ResponderExcluir
  4. Mina, nesta hora a gente fica de cabelo em pé , né?
    Fiquei horrorizada.
    Estas pessoas tem de aprender muito o que é cuidar de uma criança com autismo.
    O governo devia dar para toda mãe de autista uma ajuda para ela nao ter de trabalhar fora e assim cuidar da educação do filho e se dedicar totalmente a ele sem precisar trabalhar fora.
    E ah , vão dizer__ E o convívio social deles com outras pessoas?
    Ora bolas , nem precisa.
    Para dar nisso?
    A gente leva pra rua pro shopping, faz festinha convida os amigos as crianças pequenas que não sabem ter preconceito.
    Ah Mina quando lembro o bulling que fizeram com o Bruno na escola que o deixou muito ansioso.
    Me pergunto: Onde está está escola ideal?
    Beijos minha amiga.
    Ray

    ResponderExcluir
  5. OLÁ,LI O RELATO DESSE PAI E ME IDENTIFIQUEI NESSE CASO,OS PROFISSIONAIS ESTÃO RECLAMANDO QUE MEU FILHO ESTA MUITO AGRESSIVO,JA FUI NA ESCOLA CONVERSEI,MAS AS RECLAMAÇOES CONTINUA,E SEMANA PASSADA NA QUARTA FEIR ELE CHEGOU EM CASA COM UM TIPO DE TIQUE,FUI ATÉ A ESCOLA CONVERSEI COM A PROFESSORA,MAS OS TIQUES CONTINUARAM ENTÃAO LEVEI-O AO MEDICO,SEGUNDO A MEDICA ELE ESTÁ ANSIOSO POR ALGO Q ACONTECEU E QUE IRA PASSAR,MAS PEDIU PARA VERIFICAR NA ESCOLA,ENVIEI UM BILHETE ESPLICANDO A PROFESSORA,MAS INFELISMENTE O QUE ELA RESPONDEU FOI QUE MEU FILHO NÃO TEM TIQUE NENHUM NA ESCOLA E QUE É TEIMOSIA E QUERER BATER NOS OUTROS,NÃO SEI O QUE FAZER,POR FAVOR ME AJUDEM....MEU FILHO SE CHAMA JONATHAN TEM 08 ANOS E NÃO FALA. SOU DE CURITIBA,PR

    ELIANYROCHA@HOTMAIL.COM

    ResponderExcluir