Biografia Filipe Gonçalves Mélo.

Biografia Filipe Gonçalves Mélo.
Filipe Gonçalves Vieira Mélo.Autodidata. Pintura à óleo abstrata em vários tamanhos até 2mx3m. Desenho com pintura. Desenhos em A 4. Exposição na Mostra Morar mais por Menos RJ e Feira Reacess RJ. Entrevista na GNT. Parque das Ruínas. Santa Teresa RJ.Revista:Entender a mulher. Editora Moi SP.Exposição na morar por Menos Lagoa RJ. Correio da Manhã- Portugal. Coluna. Lídia Soares.Revista Época . Entrevista Cristiane Segatto.

domingo, 29 de abril de 2012

Escolas especiais para autista. Pai grava em vídeo Bulling com seu filho autista.


   Quando vi esta reportagem deste pai, Stuart Chaifetz em Nova Jersey, resolvi compartilhar com voces o que ele passou.
O seu  filho de 10 anos com autismo começou a ter crises explosivas na escola e os profissionais da escola começaram a reclamar dele . O pai estranhou porque seu filho não tinha este comportamento em casa e ele não era problemático. Ele não tinha como obter mais informações do filho porque ele tem problemas na comunicação não saberia contar o que estava acontecendo. Desconfiado então ele colocou um gravador digital preso no corpo do filho. E assim pode saber toda a verdade. O pai relata: ____ ele estava atacando porque ele estava sendo ridicularizado, maltratado e humilhado.
O Filho sofria bulling na escola e o pai chegou a dizer que era muito difícil para este filho estar nesta escola. Confira aqui toda a reportagem e o vidéo. Foto de Stuart com seu filho
http://shine.yahoo.com/parenting/stuart-chaifetz-secretly-tapes-autistic-son-school-discovers-220500111.html



Eu acho que escolas especias tem de ter CÂMERAS de vídeo em todos os lugares e os pais monitorem isso. Com isso vamos obter mais transparência, responsabilidade e atendimento de verdade.
Por isso que eu digo, querer que nossos filhos autistas façam o tradicional de um aprendizado,não dá certo.
Eles tem seu próprio ritmo e para conseguir que eles cooperem NÃO vai  adiantar os mesmos ensinamentos  tradicionais.  Por isso o apoio não tradicional é o melhor. Em vez de ficar aprendendo a, b, c, d ou 1+1 = 2  Leve seu aluno com autismo para uma sala de aula com :Aulas com arte, pintura, escultura, desenho, grafite, dentro desta brincadeira ensine a matemática e a geografia ou outra matéria. Vou dar um exemplo, eu dou aula de arranjo de flores. Se fosse professora  numa classe autista , eu ensinaria um arranjo onde eu pediria para pegar 10 rosas + 5 gérberas + 3 orquídeas e 1 maço de folhagens. Ao terminar o arranjo, quantas flores eu usei? Quantas cores eu pedi?
Podemos fazer isso com qualquer tipo de arte. Quantas cores usaria o aluno ao pintar um quadro? Desenhar uma planície ou uma montanha isto é geografia. E por aí vai.Outra coisa calmante! Música, que faz bem ao cérebro isto é provado cientificamente. Escutar, cantar , compor...
Exercícios físicos também faz bem aos neurônios.Tudo isso faria a diferança numa escola especial de verdade para autistas.
Beijinhos e bom domingo para todos!
Ray

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Alimentação natural para o autista. Minha reflexão!

 Estava eu pesquisando na net sobre óleo de fígado de bacalhau que dizem ser bons para autistas e entrei no
site da Pat Feldman , que fala do óleo de fígado de bacalhau mas que a dosagem do mesmo deve ser dada por um médico. E andando pelo site dela vi, tantas coisas que era comum na minha vida de criança lá no interior de Minas Gerais.
Para lembrar: Crianças e adultos autistas, precisam de uma alimentação natural livre de químicas e até o fermento caseiro normal entra na lista por conter alumínio um metal capaz de causar danos ao organismo
leia aqui a receita na íntegra da Pat Feldman http://pat.feldman.com.br/2012/01/06/fermento-para-bolos/
 Lendo sobre o bicarbonato que lembrei da minha infância e da cidade que nasci Manhuaçu, em Minas Gerais . Foto acima de Jose Ricardo da Silva.
Lembrei -me do que comíamos lá  tem no site da Pat, e porque muita gente era saudável naquela época. Se adotasse-mos estas medidas hoje em dia não só os autistas mas as pessoas em geral iriam se benificiar. Se deu certo no passado , porque não hoje???
Na roça, ou interior onde nasci e cresci, não era comum ter bolos, muito menos recheados ou de chocolate como os de hoje. Muitos dos itens abaixo, como broa, biscoito de polvilho,curau de milho, brevidade eram servidos no café da manhã e lanche da tarde.
Nossas sobremesas  eram:
 Broa de milho, feita com fubá novo , rapadura, ovos caipiras.E as broas com o tal do bicarbonato de sódio da receita da Pat, mas pouco senão voce sente o gosto dele.
Curau feito com milho verde e bastante canela.
Brevidade, feita com polvilho.(no café da manhã e lanche da tarde)
Biscoitos de polvilhos fritos na banha do porco este de cima , ah que delicia.
Doce de mocotó de boi.
Batata doce assada na brasa.
Mel de abelhas: Meu tio colocava alguns caixotes distantes da casa e colhia o mel, gostoso e fresco que a gente comia com os favos.
Doces eram  feitos com açúcar mascavo, não tinha este açúcar branco de hoje, era doce de  goiabas maduras , de figo, mamão verde cortado em tirinhas feito lâminas,banana, coco, abóbora, leite, amendoim, arroz doce e canjica branca como coco, pé de moleque, quebra-queijo etc
O homem da roça aproveita tudo o que a terra dá e respeita a natureza. Eu lembro que, quando o mamoeiro parava de dar mamões, meu pai pegava o tronco, descascava e só aproveitava o seu interior a parte branca ,como  aproveitamos  do palmito. Ralava e fazia um doce, que era muito gostoso, parecia cocada.
 Fogão à lenha e panelas de ferro. Muita galinha com quiabo e angu foto acima tirada do site da Consul.
Uma fonte de água pura da nascente canalizada por um tronco de bambu nos fundos da casa parecida com esta aqui de cima .

O leite que eu bebia era de cabras. Meu pai tinha algumas, como também , galinhas no quintal , horta caseira com muita taioba,chicória,couve, cebolinha cheiro verde repolhos, berinjelas , quiabos.....Meu pai plantava café, aliás toda a minha família incluindo meus avós plantava café.
A gente não comia arroz todo dia , comíamos canjiquinha ( milho picado pequenininho )Foto.
A canjiquinha bem cozida e temperada com muito alho era uma delicia.
Não tínhamos geladeira como a maioria dos agricultores, o jeito era matar o porco, cozinhar e colocar em latas, inclusive a pele que virava torresmo quando aquecida. Ao colocar na lata com o óleo obtido do cozimento, se obtinha tanto a banha de porco, como a carne. E era muito prático para as donas de casa da época, com toda comida pronta era só pegar com escumadeira a carne e a pele que estourava  no fritura dando, grandes torresmos deliciosos. Garanto para voces que não precisa mais do que isso para comer com satisfação!(Ps: Só fiquei preocupada com a lata, se for de alumínio nao presta, melhor de vidros)
Hoje eu não como mais carne de porco, porque já vi pessoalmente muitas pessoas ficarem doente com ela.
E a gente tomava o tal de Scoth que era o tal fígado de bacalhau, a Pat Feldmam também fala dele. Não desta Emulsão de Scoth que eu tomava , que era horrível, mas , minha  mãe dava mesmo assim.Olha o link dela http://pat.feldman.com.br/2008/02/27/o-oleo-de-figado-de-bacalhau-por-quem-provou-e-aprovou/
E a gente sempre aprende que deve deixar os grãos de molho antes de consumir. iso vale para nosso feijao de cada dia. Deixe de molho de um dia para e outro e depois voce vai ver ele espumando. Era isso que ia dar na sua barriga em forma de gases rs.
Mas voltando lá pro meu interior tem uma farinha de milho que feita após vários dias de fermentação destes graos. Esta farinha é para fazer o pirão da mulher parideira. Asim que ela dá luz é feita a sopa da mulher parideira. E feita com galinha caipira gorda. Corta-se a galinha em pedaços e refoga com bastante alho e vai dourando aos poucos , depois de bem douradinha acrescenta bastante água e vai cozinhando lentamente no fogão a lenha.Tira um pouco só a banha da galinha dos pedaços , parece gorduroso, mas é assim que se faz. Quando pronto ,pega-se um pouco do caldo fervente e vai acrescentando a farinha até formar um pirão. Gente é muito bom, levanta defunto e recarrega energias. Tive 3 filhos e de todos comi  a tal sopa da mulher parideira. Honrei a tradição mineira uai. Atualmente só conheço em Minas precisamente em Divino onde vende esta farinha verdadeira. É a farinha do Arino. Minha tia quando vem ao Rio sempre traz pra mim. Eu e Filipe amamos. Como é um prato regional o resto da família não come, tem nojo. Eu acho bom porque sobra mais rs.
  Gente voces devem estar se perguntando porque fui falar da minha infância neste post, porque  segunda foi  o dia da Terra e também por ler a Pat Feldman dando dicas de alimentos saudáveis . E como o autista deve ter alimentados saudáveis, lembrei da minha infância que foi muito saudável.
Beijos para todos!
Ray

Gente desculpe nao ter visto a fonte de todas as fotos, se voce é o dono de algumas dela, escreve aqui para eu dar o crédito.

Para saber também mais sobre o óleo de fígado de bacalhau pesquisei isto escrito abaixo, para saber mais depois de ler vá para o link ver todo o resto:

Ao consumir o óleo de fígado de bacalhau, certifique-se de ingerir bastante cálcio. Sugiro, como fonte de cálcio, o iogurte natural integral. Esse detalhe é importante para a saúde dos seus ossos. Não faz bem aos ossos ingerir vitamina D sem ingerir cálcio suficiente.Na minha experiência, o óleo de fígado de bacalhau é um excelente suplemento. Por isso, minha dica é: converse com seu médico de confiança a respeito e verifique se esse suplemento é adequado para você.




sexta-feira, 20 de abril de 2012

Ator Chinês,Sunny Chan assume que o filho é autista e declara: "Meu filho é autista e não vou sofrer em silêncio!"

O ator de tv e vários filmes no cinema, Sunny Chan o Mr.Nice Guy da TVB, abordado por repórteres , admitiu que seu filho era autista e isso não era um tabu para ele. E ele não iria sofrer em silêncio, aceitar e admitir poderia ajuda-lo a obter ajuda do mundo exterior. Talvez especialistas de todo mundo , poderiam ajuda-lo a esclarecer o que seu filho tinha.Ano passado quando os repórteres descobriram a condição autista do seu filho de 4 anos,começaram uma perseguição em busca de fotos dele  para noticiarem no tablóide local . Sunny Chan e sua familia não tinham sossego.Ele chegou a fazer um boletim de ocorrencia policial para ver se eles paravam. A insistência e os flashs faziam as crianças da sua família  chorarem.Uma criança autista não gosta deste tipo de abordagem e se assusta. Sunny Chan sabia disso. Ele mora  com sua familia em Hong Kong um lugar pequeno, não há muita privacidade . Mas há  também a tal da liberdade de impressa em Hong Kong . Então Sunny Chan resolveu para o bem de seu filho, admitir publicamente, para evitar e desmotivar os paparazzi curiosos de perseguir seu filho ou filhos de suas irmãs afim de obter noticias e informações.
 Ele declarou:
 "Eu não desejo que meu filho seja assediado. No início, eu não estava em Hong Kong quando o paparazzi tirou fotos do meu filho. Eu não quero esse tipo de intrusão para assustar minha família. Se a imprensa quer publicar as fotos do meu filho, eu posso fornecer as fotos. Não é bom para assustar o meu filho! "

A divulgação pública resultou em menos assédio a sua família. Outra coisa positiva foi uma série de conselhos profissionais sobre as formas de cuidar de crianças autistas.
Com a divulgação, o ator pode abrir seu coração e ajudar tanto seu filho e a outras crianças com autismo.Quando uma celebridade divulga que tem filhos com autismo e age de forma positiva em relação a isso ele ajuda a população em geral ficar mais esclarecida sobre o que é o autismo e como lidar com os autistas e suas familias . Hoje em dia Sunny Chan está engajado em ajudar as pessoas a entenderem o que é o autismo e tem viajado para divulgar isso e neste link ele próprio fala do que passou e conta sua experiência, pena que eu não entenda o chinês para vê-lo contar. Mas mesmo assim, Confira aqui neste link  http://www.asiaone.com/News/Latest%2BNews/Showbiz/Story/A1Story20120122-323364.html





*****************************************************************************************
 Abaixo trecho da sua entrevista fornecida ao jornal Oriental daily .
 


R = Reporter; S = Sunny Chan
R = Se você não admiti-lo, talvez ninguém soubesse que seu filho é autista. Por que você decidiu divulgar o assunto?
S = Quando eu levá-lo para fora, as pessoas vão pensar que ele é uma criança teimosa, uma vez que ele funciona em todos os lugares. Eles vão naturalmente notar que ele tem um problema. Quanto ao porquê estamos dispostos a falar, esperamos que talvez existam pessoas que possam ser capazes de ajudá-lo. Nós somos pais normais e realmente não sei como cuidar de uma criança autista. Você pode dizer que ele é inteligente, estúpido e até mesmo preocupante. Sem um especialista guiando-nos, talvez meu filho não seria capaz de ler até hoje. Devemos encarar a realidade e não pode sofrer em silêncio, caso contrário ele não será justo com ele.

R = Você está muito preocupado com a condição de seu filho?

S = Se eu não estivesse preocupado, eu não vou ficar com ele durante todo o dia. Ele sempre foi diferente das outras crianças. Ele é anti-social e não confiar em outras pessoas facilmente. Por exemplo, se ele sabia que estávamos a comer carne hoje e você serviu-lhe porco, ele vai pensar que você mentiu para ele. Ele teimosamente se recusam a comer. Ele não recebê-lo no ensino e ajudá-lo. Ele vive em seu próprio mundo. Quando eu falar com ele, ele me ignora. Ele ignora até mesmo seus próprios pais!

R = Você o levou para a praia para ensinar-lhe palavras, tem havido algum progresso?


S = Tem sido muito melhor. Embora filha de minha irmã aprendeu suas palavras menos 2 anos de idade, meu filho não aprendeu até ele tinha 4 anos de idade. Quando o vi escrever o "fogo pessoa, grande, ea terra" personagens, eu estava assombrado.


Concluindo:
Em entrevista por telefone com o Diário Oriental , Sunny notou que seu filho autista não falar com ele, mas Sunny reservar um tempo para comunicar adequadamente com o seu filho, na esperança de melhorar a situação. , Disse Sunny, "Recentemente, eu não precisava filme e vai reservar uma hora por dia para gastar com o meu filho. Se o tempo estiver frio, vamos caminhar juntos. Se está quente, vamos nadar. Isso permite que o meu filho e eu para se comunicar em um nível melhor. "




Fontes desta pesquisa: http://www.jaynestars.com/news/sunny-chan-%E2%80%9Ci-have-an-autistic-son-and-will-not-suffer-in-silence%E2%80%9D/


http://tvbceleb.blogspot.com.br/2011/11/sunny-chan-tries-to-spend-more-time.html









domingo, 15 de abril de 2012

A falta de comunicação e a Solidão do autista adulto!

 As vezes nos sentimos solitários embora estejamos perto de outras pessoas.É uma condição humana. E foi  por me sentir assim que fiquei observando a solidão do meu filho com autismo.Me preocupo, porque Filipe é um autista adulto. E fico pensando para um autista adulto fica mais dificil se adequar a nossa sociedade junto com outras pessoas.Filipe está ali deitado no sofá vendo tv. Parece  bastar-se a si mesmo. E eu começo a pensar no jantar que fomos ontem, lembrando que as pessoas não conseguem interagir com autistas adultos.E não adianta colocar neles a melhor roupa, sempre passarão despercebidos.Parecem transparentes.
 Continuando...Saímos com alguns amigos para jantar fora. Foram alguns jovens e adultos. Os jovens logo se sentaram de frente uns  para os outros. Eu coloquei Filipe perto deles, nós os adultos ficamos separados  também frente a frente e começamos a conversar. Somente Filipe estava calado, observando tudo, parecia estar gostando.
Chegou o jantar e todos se serviram, e eu ajudei Filipe a se servir e perguntei o que queria.Ele me mostrou com o dedo sua preferência.
Começamos a jantar, risos, conversa e tilintar de talheres. Mas ninguém se dirigiu a Filipe ou falou com ele durante todo o jantar.Apenas um adulto comentou: __ Como ele come direitinho de garfo e faca né?
É sempre assim, quando saio com ele , ninguém puxa conversa com ele. Talvez pensando que não vai adiantar porque ele é doente. As pessoas pensam assim, não adianta a gente negar.
Mas o problema é a falta da comunicação, da fala. Filipe não fala, não inicia uma conversa, não faz nenhum comentário, porque os autistas clássicos geralmente não falam.
Mas aí as pessoas podem dizer: __Se ele não fala, então como vamos fazer?
  Eu mãe de autista explico: Conversa assim mesmo, pergunta se está bem ou se precisa de algo. Dá um abraço, enfim mostra que voce se interessa pela pessoa dele.De vez em quando dá um sorriso para ele. Isso faz muito bem para eles. Sabia disso?
As vezes próprio filipe muitas vezes vai e dá a mão , aprendeu este cumprimento e dá mão para todos inclusive o motorista do táxi, a caixa do supermercado, é uma maneira que ele encontrou para  ser sociável.
Se eu disser nunca ninguém fala com ele também é demais ,até falam ,abraçam, beijam e oferecem muita comida, achando que estão agradando. Tenho muitos amigos que gostam de Filipe de verdade.Mas também o fazem porque eu sempre falei que filipe gosta que o percebam,que falem com ele.Sentem que tratando Filipe bem estão de certa forma se solidarizando comigo estão me mostrando que são meus amigos.Eu acredito nisso.
Mas não é sempre também que falo isso com todo mundo, as vezes cansa , como foi o caso com outras pessoas naquele jantar, as pessoas deveriam sabe-lo. 
Mas raciocino de novo:__ tá doida? penso. Eles não conhecem o autismo , não sabem lidar com ele , igual a mim que sou a mãe. Ninguem nunca falou com eles o que é ser autista. E quando não tem nenhum autista na comunidade dificilmente as pessoas conhecem esta síndrome.O governo os meios de comunicação e os médicos não sabem fazer isso.Volto a olhar para filipe no sofá ,  vou recordando ....outro dia o levei para outro evento onde tinham jovens. Alguns se sentaram em uma mesa e começaram a rir,conversar. filipe se sentou também no sofá perto deles e permaneceu lá sozinho o tempo todo sem ninguém notar a sua presença.
De longe fazendo o meu trabalho , senti vontade de chorar vendo aquela solidao.
 Recordo a frase do escritor Robert Musil :
“Sempre que tive de participar de algo em comum, qualquer acontecimento humano, me 
senti como um homem que sai do teatro  antes do último ato para respirar por um 
momento, vê o grande vazio das trevas cheias de estrelas, e deixa o chapéu, casaco, 
espetáculo e parte.”
Este trecho é do livro que ele escreveu: O Homem sem qualidades.
Filipe não tem nada a ver com o personagem de Musil, Ulrich,que elegeu a sua solidão por conta própria, mas de certa forma se torna entre aspas um homem sem qualidades nesta sociedade.
O autismo de Filipe se coloca mais forte que a  própria solidão e o impede de se comunicar tirando assim as suas qualidades. 
Por isso eu acho sua pintura tão fantástica e porque ela  de certa forma resgata estas qualidades.
 Elas são, As Artes de Filipe. Aqui eu coloco as Artes como sendo algo em que Filipe faz uma contravenção contra o autismo e ela tem a conotação da arte de uma criança, quando ela apronta algo e nós dizemos:__Voce fez uma arte não foi? Na pintura de Filipe acontece o mesmo, ele o dribla o autismo  fazendo arte com a pintura. Aí ele deixa de ser um solitário e se torna um comunicador.
Leonardo da Vinci disse: A arte diz o indizível; exprime o inexprimível, traduz o intraduzível.
  Revejo minha solidão e ela se torna tão pequenina frente a solidão imposta à ele.
  Estamos em 2012 ainda não há cura e nem muitos entendimentos sobre o autismo e as pessoas também não sabem como lidar  de fato com autistas. Compete a nós pais , amigos dos pais, parentes dos pais ajudar nesta conscientização junto a todos os profissionais envolvidos.
Amo meu filho incondicionalmente  e enquanto eu viver vou lutar  por ele e ele vai ser sempre meu filho querido e tudo farei para que ele possa ser feliz. Serei sua companhia e vou falar com ele, rir, chorar, brincar, passear!

Love You Forever meu filho Filipe!

Ray


Para voce leitor deste blog  deixo o trecho desta poesia sobre a solidão.



Que minha solidão me sirva de companhia.
que eu tenha a coragem de me enfrentar.
que eu saiba ficar com o nada
e mesmo assim me sentir
como se estivesse plena de tudo. 



Clarise Lispector



domingo, 8 de abril de 2012

Conformados e inconformados com o autismo.

 Esta foi uma frase do Dr: Alysson Renato Muotry nosso cientista brasileiro, no trecho abaixo retirado no seu blog  G1 Espiral.
Dr: Alysson descobriu a cura do neurônio autista em laboratório e desde então luta , pesquisa , para conseguir a droga eficaz para as crianças e adultos autistas.
  Dr: Alysson tem tudo para chegar ao seu objetivo, pois ele não é só um cientista . Ele é mais do que isso. Ele é solidário, porque gosta do que faz , tem empatia ,  tem o desejo sincero de ajudar os autistas e seus familiares.Vejo-o sempre interagindo com outros cientistas buscando mais conhecimentos , interagindo com a sociedade e participando de palestras onde o foco é a melhoria de qualidade de vida do autista.
Admiro muito este pesquisador que se compadece destes seres tão indefesos e desprotegidos em todo o mundo.
Acredito que este compadecimento e esta preocupação e este sentimento de ajuda, encravado no seu coração e mente, seja a chave que o levará a descoberta da cura do autismo.

Abaixo um trecho do seu blog  sobre Conformados e inconformados com o autismo.
Parabéns Dr: Alysson por seu post tão bem escrito, além de pesquisador , professor é também um grande escritor, suas palavras sempre tocam nossos corações e nos sensibilizam e confortam.

************************************************************************


......Em tempos de crise, a história tem mostrado que o incentivo a pesquisa na área é o que, em geral, leva à solução do problema. Jovens adultos e crianças da atual geração nunca devem ter ouvido falar de poliomielite ou pólio. Isso porque a epidemia de pólio, que deixou milhares de crianças e adultos paralizados por volta de 1910, foi erradicada a partir de iniciativas como a “Corrida contra o pólio” nos anos 50, que investiu pesado na busca científica da “cura” do problema. Pólio continua sem cura, mas foi erradicado da maioria dos países através do financiamento de uma vacina, originada numa polemica pesquisa do médico Jonas Salk.
O mundo é formado, em sua maioria, por pessoas conformadas, e por uma minoria de pessoas que não se conformam. São os conformados que nos trazem conforto nas horas mais difíceis, que nos ensinam a aceitar as situações como são e agradecer por aquilo que temos. São os conformados que vão te dizer que o autismo não tem solução, que não há o que fazer. Mas são os inconformados que transformam nossa perspectiva e que fazem o mundo melhor. Acho que o quadro de autismo atual pede um plano nacional de ataque, a criação de um centro de excelência em autismo brasileiro, formador de profissionais qualificados e com pesquisada cientifica de ponta com colaborações internacionais. Será preciso reunir pais, políticos, terapeutas, médicos e cientistas inconformados e que estejam dispostos a lutar por dias melhores.
Alysson Muotry
Post completo no link abaixo :